Esta web utiliza cookies propias y de terceros para ofrecerte una mejor experiencia y servicio.

Al navegar o utilizar nuestros servicios acepta el uso que hacemos de las cookies. Para más información consulte nuestro Aviso legal .

ACEPTAR

Swisspacer apresenta o estudo do Passivhaus Institut PHI sobre conforto térmico

O conforto térmico começa na janela. O novo estudo do PHI sobre o conforto em casa, "Living Comfort", demonstra o efeito positivo dos perfis intercalares de bordas quentes.

Swisspacer apresenta o estudo do Passivhaus Institut PHI sobre conforto térmico

Ao construir e reabilitar casas, o conforto e o bem-estar dentro de casa são dois factores muito importantes para os habitantes. Do ponto de vista físico-construtivo, para alcançar um clima agradável deve haver um equilíbrio adequado entre a temperatura e a humidade do ar. Um novo estudo do Passivhaus Institut (PHI) mostra como a qualidade das janelas e o perfil entre camadas escolhido influenciam o conforto térmico.

No seu estudo "Living Comfort", o Passivhaus Institut de Darmstadt investigou como os critérios de conforto e higiene podem ser definidos e cumpridos para janelas instaladas em diferentes zonas climáticas. "Do ponto de vista térmico, as janelas são ainda muitas vezes os elementos mais fracos de um edifício", explica o Prof. Dr. Benjamin Krick, director-geral do Passivhaus Institut. "A sua eficácia em termos de conforto térmico depende em grande parte da localização do edifício e do ambiente climático.

O estudo faz a distinção entre climas polares, frios, frios-mornos, quentes e quentes. Foram examinadas diferentes janelas de PVC com vidros duplos, triplos ou quádruplos para os testes e foram utilizados perfis de alumínio e aço inoxidável, bem como o perfil SWISSPACER Ultimate de alta eficiência energética para a camada intermédia a quente.

"A escolha do perfil da camada intermédia tem uma grande influência na qualidade térmica da janela e, portanto, no conforto e higiene", explica o Prof. Krick ao analisar os resultados. "Com perfis intercalares de PVC energeticamente eficientes, as janelas satisfazem os requisitos com meios comprovados e representam, portanto, um investimento mínimo para o fabricante de janelas.

Bem-estar e conforto interior
As pessoas consideram que o ambiente térmico de uma sala é agradável quando tem uma certa "temperatura de funcionamento", que se obtém calculando a média entre a temperatura do ar e a das superfícies circundantes. Se houver grandes diferenças de temperatura entre o ar e as superfícies, cria-se uma sensação desconfortável de corrente de ar. Esta massa de ar frio faz com que o ar à volta das superfícies frias caia ao chão, causando um movimento desconfortável do ar. Para uma sala se sentir confortável, foi demonstrado que a diferença de temperatura entre o ar da sala e as superfícies circundantes, tais como paredes exteriores, tectos, pavimentos ou janelas, deve ser inferior a 4,2 Kelvin.

Com base nestas condições gerais, o Passivhaus Institut calculou o chamado "critério de conforto Passivhaus" para diferentes zonas climáticas. Por exemplo, num clima de temperatura fria como a Alemanha, obtém-se um valor U de 0,85 W(m2/K). Para calcular isto, os peritos em Darmstadt assumem uma temperatura interior de funcionamento de 22 °C e uma temperatura exterior de -16 °C. Se este coeficiente não for atingido, deve ser instalada uma fonte de calor sob a janela para evitar que o ar frio caia.

Prevenir a formação de condensação e bolor
Para conforto e saúde é muito importante prevenir a formação de condensação e bolor. A humidade acumula-se no ponto mais frio da sala, que é normalmente a borda do vidro. No entanto, o bolor aparece quando a temperatura é mais elevada do que o ponto de orvalho. Isto significa que as temperaturas da superfície devem ser mais elevadas do que aquelas em que o molde se forma, a fim de proteger eficazmente a substância do edifício e a saúde dos habitantes.

"O factor de temperatura fRsi é utilizado como um indicador das condições higiénicas na borda do vidro. Se este valor for pelo menos 0,7 num clima temperado a frio, pode assumir-se que não se formará nenhum bolor com a humidade normal do ar interior", diz Krick. Uma solução eficaz é aumentar a temperatura na borda do vidro. "A temperatura na extremidade do vidro depende do perfil espaçador, da espessura da unidade de vidro e da montagem da folha na janela", diz Krick. Por esta razão, a solução mais recomendada é utilizar uma combinação de uma camada intermédia térmica de alto desempenho, um vidro triplo com o maior espaço possível entre os vidros e uma moldura de janela com bom isolamento.

O estudo do IHP mostra que a selecção do perfil da camada intermédia tem uma grande influência sobre a qualidade térmica da janela. Em geral, em climas quentes, recomenda-se combinar vidros triplos com perfis de camadas intermédias de eficiência energética, tais como SWISSPACER Ultimate. Desta forma, os valores de conforto e higiene necessários podem ser alcançados, mesmo com as caixilharias de janelas não isoladas que são tão comuns nestas regiões. Com caixilhos de janelas bem isolados, os requisitos de climas de temperatura quente e temperatura fria podem ser satisfeitos tanto com perfis espaçadores de aço inoxidável como com o perfil espaçador SWISSPACER Ultimate. Para satisfazer os requisitos de climas frios e polares, o perfil SWISSPACER Ultimate deve ser utilizado em combinação com uma estrutura particularmente bem isolada.

Um grande benefício para todos os interessados
"Se os resultados dos testes forem tidos em conta, praticamente todos estão satisfeitos: os habitantes do edifício, que beneficiam de um elevado nível de conforto e da ausência de bolor nas bordas do vidro, e o construtor de janelas, que pode facilmente melhorar os seus produtos. Além disso, são evitados danos devidos à humidade. Tudo isto aumenta a satisfação do cliente e reduz o número de reclamações. O clima é também menos afectado pela grande poupança de energia conseguida através da redução das emissões de CO2", resume Benjamin Krick.

Este estudo foi encomendado pela SWISSPACER. Durante anos, o Passivhaus Institut Darmstadt e a SWISSPACER têm vindo a realizar estudos conjuntos que fornecem informações essenciais para o mercado. A partir deste ano, a SWISSPACER patrocina o "Prémio Passivhaus" e oferece um prémio especial, que será atribuído pela primeira vez em 2021.

O estudo "Living Comfort - How to meet comfort and hygiene criteria for windows installed in different climate zones" está agora disponível no website SWISSPACER: Mais informações AQUÍ.

Publicado el 2 de Septiembre de 2020
HAGA SU
CONSULTA AQUÍ